25 • julho • 2012 Lari Moda

Como é feita uma bolsa Hermés?

Logo no início do blog eu fiz um polêmico post sobre o custo x benefício de uma bolsa Hermés e contei minha história com a marca – para quem não leu é só clicar aqui. Mas, independente se você acha um absurdo ou não pagar $$$$$ por uma bolsitcha, uma coisa não podemos negar, a marca é extremamente rigorosa no quêsito qualidade. Olhem que incrível esse vídeo que uma amiga me passou (beijo Bá!) mostrando a construção de uma bag da grife.

PS: E aí, vale ou não vale o investimento?

13 • julho • 2011 Lari Sem categoria

Newsletter Hermès

Quer medir seu grau de consumo? dá um check nos seus emails e repare quantas newsletters de marcas você recebe por dia. Se você é uma consumista como eu – ou uma tarada em fazer cadastros – entendeu direitinho o problema. Sofremos com a caixa de entrada lotada de coisas, nem sempre, úteis, né? Bom, mas o que eu quero compartilhar com vocês, é que vale a pena perder 1 minutinho do seu dia para ver os emails da Hermès.
 
Seguindo sempre a mesma linha criativa, com desenhos manuais, a newsletter é objetiva e clara, sem deixar de ser super fofis. Eu separei algumas que eu tenho salvas, mas toda semana a marca francesa envia uma nova.
 
 
 
 
 
 
 

 
 
 
28 • Abril • 2011 Lari Moda

It’s classy, it’s chic!

Estamos vivendo a era do “it”. It girl, it bolsa, it sapato, it restaurante, it grampeador, it lixa de unha, it planeta… e por aí vai, até a onde sua imaginação permitir! Já deu, né? Mas esse post não é sobre a banalização do termo “it”, e sim uma luta pelos clássicos.

Nesses tempos em que o consumismo tomou conta das meras mortais (me!!!), e é só lerem na Vogue que colocar abacaxi na cabeça is so in, que tem fila no Hortifruti, eu quero compartilhar uma causa particular com vocês: o consumo consciente.

Vamos ser francas, nem todo mundo tem um budget de Eike $$$ Batista. Então vamos ao ponto: você juntou o seu dindin, e quer investir em uma bolsa, não qualquer uma, mas A bolsa, ao invés de comprar a última clucth da celine, azul klein (tom super tendência), por que não comprar uma black chanel 2.55?

“modismo” atual

“modismo” brega de alguma coleção específica


É uma questão de medir o uso. Você até pode usar sua celine azul klein nessa coleção, quissá na próxima, mas será que ela aguenta mais uma geração? e mais outra geração? esse é o grande diferencial das peças clássicas. Uma chanel 2.55, uma speedy da Louis Vuitton, uma Birkin/Kelle da Hermes, podem ser passadas de vóvó para neta. Btw, essa é a herança que euzinha quero deixar para minhas futuras netinhas peruas (assim espero), muitas bolsas!

Já que comprar A bolsa, não é uma questão simples para todas, pense e re-pense antes de passar o cartão. Pesquise! Faça perguntas para quem tem a X bolsa dos sonhos, descubra se vale a pena a compra, e por aí vai…

Assumo que eu adoro essa pesquisa pré-compra. Por isso que para mim não te graça comprar na internet – ou pertubar o irmão pra ligar pra Bergdorf Goodman no meio da viagem dele pra encomendar, não dá certo. É muito mais legal, ler tudo sobre a bolsa na internet antes, e “sentir” ela pessoalmente. Se aquele amor a primeira vista bater, eu levo! E essa é minha teoria, se você amou algo, por mais que o valor não seja muy amigo, mas você vai usar muito, vai fundo perua! Apoio sua compra.


Bolsas clássicas













Agora é com vocês, minhas leitoras lindas, magras e inteligentes , vocês acrescentariam algum outro modelo de bolsa na listinha dos “clássicos”?