24 • julho • 2017 Lari Viagem

Guia de viagem: quais vinícolas visitar no Vale dos Vinhedos?

Dando continuidade ao post sobre o Vale dos Vinhedos (para ler clique aqui),  hoje eu vou falar sobre a melhor parte: as vinícolas que visitei durante a viagem. 

Tudo-sobre-o-Vale-dos-Vinhedos-sul-do-Brasil-região-de-vinho-Bento-Gonçalves-guia-de-viagem-roteiro-dicas-Brasil-destino-no-Brasil-blog-Lari-Duarte-vinho

Como quando fui pra Bordeaux, eu senti muuuita falta de informações e dicas sobre nossa região de vinhos. Assim, mais uma vez, meu namorado fez um apanhadão de revistas e sites especializados, levando em conta nossos gostos e o que têm de melhor na região. O resultado do roteiro, modéstia zeeero a parte haha, ficou tão bom, tão otimizado e produtivo, que eu vou compartilhar por dia de viagem com vocês. Vamos lá!

Tudo-sobre-o-Vale-dos-Vinhedos-sul-do-Brasil-região-de-vinho-Bento-Gonçalves-guia-de-viagem-roteiro-dicas-Brasil-destino-no-Brasil-blog-Lari-Duarte-vinho

PRIMEIRO DIA 

Como disse no outro post, eu fiquei hospedada em Pinto Bandeira, um município vizinho a Bento Gonçalves. Assim, decidimos explorar essa região no nosso primeiro dia.

 

  • Cave Geisse: foi uma das minhas vinícolas favoritas da viagem! Além de ter meus espumantes favoritos também hehehe. Fizemos a visita guiada as 10h com uma enóloga super simpática, seguida por degustação. O valor por pessoa é R$80,00, e pode ser revertido em produtos. Ou seja, acaba valendo super a pena! No dia descobrimos que tem uma visita que você vai de carro ver as vinícolas in loco, deve ser bem legal também. Além disso, eles tem uma área externa com food trucks, espaço para picnic, show ao vivo… E como fica em Pinto Bandeira, é mais tranquilo e vazio que o wine garden da Miolo por exemplo. Fica a dica!

(Infos: é necessário agendamento prévio)

 

  • Vinícola Valmarino: essa vinícola não tem visitação, só degustação. Os vinhos e espumantes são maravilhosos! A gente fez a degustação completa, e a responsável pela degustação era muuuito gentil. Ou seja, passamos a tarde lá. Ao contrário de Bordeaux, no sul as pessoas não estão preocupadas com a “quantidade” de vinho por taça, são bem generosos sempre haha.

(Infos: não é necessário agendar/ Valor da degustação completa R$40,00)

Tudo-sobre-o-Vale-dos-Vinhedos-sul-do-Brasil-região-de-vinho-Bento-Gonçalves-guia-de-viagem-roteiro-dicas-Brasil-destino-no-Brasil-blog-Lari-Duarte-vinho

SEGUNDO DIA

Finalmente fomos realmente pra região do Vale dos Vinhedos!

 

  • Vinícola Pizzato: as 10h fizemos uma degustação com harmonização de queijos e embutidos. Os vinhos e a comida estavam deliciosos, mas achamos o sommelier “roteirizado demais”, sabe? Se a pergunta saia um pouco do “roteiro”, ele se confundia. Mas, vale a ida como uma excelente opção de café da manhã ou lanche a tarde. 

(Infos: é necessário agendamento/ Valor a consultar*)

 

  • Casa Valduga: é uma das vinícolas mais conhecidas da região, têm vinhos deliciosos, mas achei MUITO turística. A vinícola, que também é hotel e restaurante, estava lotada, ainda mais que era feriado. Como eu já disse, eu, Lari, prefiro vinícolas menores, intimistas, familiares, acho esse o grande charme da coisa! Quando o local vira a “Disney do vinho” pra mim perde a graça.  Minha opinião? Passe apenas na loja para comprar vinhos, deixe para almoçar e fazer visitações em outros lugares.

(Infos: a degustação é de graça, mas para fazer a visitação é necessário agendar.)

 

  • Vinícola AlmaÚnica: um dos melhores vinhos nacionais, sem dúvidas! Segundo um dos sócios da vinícola, que recebeu a gente, a proposta é ser a “Ferrari dos vinhos nacionais” hahaha. Apesar de ficar bastante cheia no feriado também, vale a pena fazer a visita + degustação. E de quebra tem um visual lindo para região com mesas ao ar livre.

(Infos: a visita guiada acontece de 2a a sábado, as 10h30 e 15h30, não precisa agendar/ A degustação têm 3 opções, de R$30, R$60 e R$80 .)

Tudo-sobre-o-Vale-dos-Vinhedos-sul-do-Brasil-região-de-vinho-Bento-Gonçalves-guia-de-viagem-roteiro-dicas-Brasil-destino-no-Brasil-blog-Lari-Duarte-vinho

TERCEIRO DIA

No último dia de viagem, a gente seguiu visitando vinícolas do Vale do Vinhedos, mas mais especificamente as da rota das cantinas históricas.

 

  • Vinícola Estrelas do Brasil: especializada em espumantes e com uma vista deslumbrante da região, essa vinícola é super familiar. O dono recebeu a gente na sua própria casa e guiou a degustação com a maior calma do mundo. E QUE degustação! Amei todos os espumantes que experimentamos. Sem dúvidas, uma visita que todos devem fazer, pois passear pelos arredores com direito a mirante é inesquecível também.

(Infos: é necessário agendamento prévio, e não é cobrada a degustação.)

 

  • Vinícola Dal Pizzol: a gente se empolgou tanto com os espumantes na Estrelas do Brasil que perdemos a hora para ir na Dal Pizzol hehehe, e olha que elas são praticamente vizinhas. Mas, a degustação às cegas de lá foi super bem recomendada, viu? Assim, achei válido deixar essa sugestão de programa aqui. Só entrar em contato e agendar.

Tudo-sobre-o-Vale-dos-Vinhedos-sul-do-Brasil-região-de-vinho-Bento-Gonçalves-guia-de-viagem-roteiro-dicas-Brasil-destino-no-Brasil-blog-Lari-Duarte-vinho

Por fim, a parte da tarde foi toda dedicada a atividades na nossa pousada, a Vinícola Don Giovanni. Primeiro fizemos a visitação para entender como é feita a produção dos vinhos. Acho sempre muito interessante porque cada local tem sua forma de produzir, sabe? É o segredo do resultado final. Depois, a gente foi pra sala de degustação onde entendemos na prática – e literalmente haha – os principais rótulos.

E para fechar com chave de ouro o dia e a viagem, o programa mais especial. Caminhamos pelos vinhedos e assistimos o pôr do sol de um mirante, tudo regado a muito espumante, claro! Melhor brinde que eu poderia ter de aniversário.

Tudo-sobre-o-Vale-dos-Vinhedos-sul-do-Brasil-região-de-vinho-Bento-Gonçalves-guia-de-viagem-roteiro-dicas-Brasil-destino-no-Brasil-blog-Lari-Duarte-vinho

Bom pessoal, essa foi a minha viagem para o Vale dos Vinhedos. Eu já disse e repito, é uma viagem que todos os amantes de vinho e espumante devem fazer pelo menos 1x na vida. Além do custo x benefício ser excelente, ser no nosso país, e possível de visitar durante todas as estações do ano, é um destino lindo e realmente incrível. Vale MUITO se programar para conhecer!

23 • janeiro • 2017 Lari Sem categoria

Guia de viagem: cidade de Bordeaux

Vamos continuar a falar da minha viagem à Bordeaux? Depois do post sobre St. Émilion e sobre as vinícolas que visitei, hoje eu vou falar sobre a cidade de Bordeaux, capital da região.

Tudo-sobre-a-cidade-Bordeaux-informações-guia-de-viagem-dicas-roteiros-capital-vinho-Bordeaux-onde-ficar-o-que-fazer-Cité-Du-Vin-Museu-do-vinho-blog-da-Lari-Duarte

Como já comentei, na segunda parte da viagem eu fiquei hospedada em Bordeaux mesmo, capital. Apesar de não ter o mesmo charme de ficar em um chateau (como eu fiquei em Émilion), é de longe mais estratégico. A cidade é central pra visitar toda a região de Bordeaux, nada fica muito longe, sabe?

Eu me hospedei no Hotel Mercure Bordeaux Cité Mondiale Centre Ville, e recomendo. O custo X benefício é excelente. O hotel é muito bem localizado e moderno. Sem contar que tem uma vista linda pro rio Girone no espaço de café da manhã. Mas, atenção! Existem vááários hotéis da rede na cidade, eu e meu namorado erramos TRÊS vezes antes de achar ele hahaha, então coloca o nome todo certinho no GPS, ok?

Tudo-sobre-a-cidade-Bordeaux-informações-guia-de-viagem-dicas-roteiros-capital-vinho-Bordeaux-onde-ficar-o-que-fazer-Cité-Du-Vin-Museu-do-vinho-blog-da-Lari-Duarte

Mas, afinal, o que fazer na cidade? Segundo a revista Wine Spectator, o prefeito atual resolveu investir pra valer no turismo. Isto é, quer que Bordeaux seja tão visitada quanto Paris. Meta alta? Não, imagiiiina haha. Para isso, ele está “modernizando”, e o que eu notei foi uma cidade cosmopolita com transporte público ótimo (usei tipo um metro a céu aberto).

Mesmo assim, eu acho que 1 dia é mais do que suficiente pra cidade. Sugiro visitar a Place de La bourse, que é o cartão postal, e passear na beira do Rio que é tipo um calçadão. Mas, o passeio  im-per-dí-vel  mesmo é a La Cité Du Vin.

Tudo-sobre-a-cidade-Bordeaux-informações-guia-de-viagem-dicas-roteiros-capital-vinho-Bordeaux-onde-ficar-o-que-fazer-Cité-Du-Vin-Museu-do-vinho-blog-da-Lari-Duarte

A  Cité Du Vin é tipo a Disney para os Wine Lovers. Inaugurada no ano passado, o espaço tem um museu super interativo e dinâmico focado em vinho, claro, onde conta a história desde sua criação até os dias de hoje – e sua presença no mundo atualmente. Tudo de uma forma muito criativa e interessante, você nem sente a hora passar. O formato de decanter da construção tem tudo a ver com a proposta moderna do local.

Além disso, têm loja com acessórios e livros no tema, e restaurantes. Como diz a própria Cité “é uma viagem de descoberta profunda a cultura do vinho“, acho que foi a melhor definição sobre o local, e por isso eu recomendo a visita até para quem não bebe vinho.

Tudo-sobre-a-cidade-Bordeaux-informações-guia-de-viagem-dicas-roteiros-capital-vinho-Bordeaux-onde-ficar-o-que-fazer-Cité-Du-Vin-Museu-do-vinho-blog-da-Lari-Duarte

No quesito gastronomia – ou gulosísse – foi em Bordeaux um dos melhores jantares da viagem, no restaurante La Tupina. O que eu mais gostei é que o restô tem um clima super informal, descontraído, lembra um açougue, sabe? A garçonete portuguesa quando percebeu que éramos brasileiros começou a tratar a gente o dobro melhor hahaha Muito querida! A especialidade é cozinha do sudoeste francês, com muitos frios, linguiças, e carnes, regados a um bom vinho de Bordeaux, claro.

Tudo-sobre-a-cidade-Bordeaux-informações-guia-de-viagem-dicas-roteiros-capital-vinho-Bordeaux-onde-ficar-o-que-fazer-Cité-Du-Vin-Museu-do-vinho-blog-da-Lari-Duarte

Bom, como eu disse, eu AMEI minha viagem toda em Bordeaux. É o roteiro que todo mundo que ama vinho deve fazer 1x na vida. Eu espero retornar um dia (de preferência em breve haha) pra visitar ainda mais vinícolas.

03 • novembro • 2016 Lari Viagem

Quais vinícolas visitar em Bordeaux?

Vinícolas-em-Bordeaux-para-visitar-visitação-tudo-sobre-informações-dicas-onde-ir-wine-tasting-infos-informações-tudo-sobre

Vamos voltar a falar da minha última viagem? Como eu disse no post sobre Saint-Émilion (pra ler clique aqui), se tem uma bebida que me representa é o vinho. Eu sempre disse que gostava “dos de Bordeaux”, o que eu não sabia é que falar isso é o mesmo que “vou viajar pro Brasil”. Muito amplo, sabe?

Praticamente, os vinhos de Bordeaux são divididos entre os produzidos na margem direita, e os na margem esquerda (enólogos não me matem com meu resumão geográfico, ok? hahaha). E isso interfere bastante no resultado final. 

Mapa-de-Bordeaux-Tudo-sobre-região-de-vinhos-margem-direita-margem-esquerda-Blog-Lari-Duarte

Como já comentei, primeiro eu fiquei hospedada em Saint-Émilion (que fica na margem direita), e depois na cidade de Bordeaux que é bem central. Ou seja, se você quer ficar sediado em um hotel com localização estratégica para visitar vinícolas de toda região, Bordeuax é a melhor opção. Maaas, eu achei St.Émilion mil vezes mais charmoso, viu?

Bom, esse momento aula de Geografia  é porque hoje eu vou falar sobre as vinícolas que visitei durante a viagem.

Afinal, o que é visitar uma vinícola? Normalmente a visita dura em média 1 hora. Durante esse tempo um enólogo do château apresenta tooodo o processo de produção (desde a escolha da uva até o vinho virar garrafa), e no final traz seus principais vinhos para degustação. Eles servem 1 taça de cada, mas achei em geral todos muito “generosos”, quando meu namorado pedia um bis enchiam a taça sem nem titubear hahaha.

Vinícolas-em-Bordeaux-para-visitar-visitação-tudo-sobre-informações-dicas-onde-ir-wine-tasting-infos-informações-tudo-sobre-WINE-wine-taste-tasting-degustação-winelovers-

Esporte da viagem: levantamento de taça

Não sei como é em outras regiões, mas em Bordeaux é necessário agendar as visitas com antecedência, e a maioria não cobra nada por isso. Outra coisa legal, é que normalmente os tours são privados ou de grupos bem pequenos, o que te dá a sensação de estar visitando a casa de um amigo que produz vinho. Não que eu tenha amigo dono de vinícola hahaha (quem sabe um dia?), mas foi o que me passou.

Bom, mas vamos as vinícolas? Acho que a melhor forma de explicar, para quem planeja fazer essa viagem, é organizar pelas margens. Atenção wine lovers de plantão, são elas:

Vinícolas-em-Bordeaux-para-visitar-visitação-tudo-sobre-informações-dicas-onde-ir-wine-tasting-infos-informações-tudo-sobre-WINE-wine-taste-tasting-degustação-winelovers-

  • Château Montrose: localizado na cidade de Saint-Estèphe, o primeiro que visitei. Ou seja, de cara eu conheci uma vinícola que investe bastante em tecnologia, e é uma das mais elegantes – se é que podemos classificar assim rs. Linda demais (todas as vinícolas são lindas, então vou classificar em apenas linda ou muito linda rs) e ótimos vinhos. Inclusive um deles tem nota 100 de Robert Parker.
  • Château Pontet-Canet: localizado na cidade de Pauillac, ele também utiliza bastante de tecnologia em sua produção. Diferencial: fermentação dividida entre barrica e concreto, com elementos que simulam o solo da região. Chic!

Obs: a enóloga-guia falava português.

  • Château Giscours: localizado em Margaux, é uma vinícola menos moderna, mas não menos interessante. Eu achei a visita super divertida, a guia era palhacitcha rs, e os vinhos deliciosos.
  • Château Latour-Martilac: localizado em Martilac, muito pertinho da cidade de Bordeaux, é um château mais simples, mas uma visita muito agradável também. A guia foi muito simpática e gentil. Lá é possível comprar vinhos excelentes com preços ótimos. Ah! E um salve para os vinhos brancos, os melhores.

Obs: têm 3 tipos de visitas. A que escolhemos foi 7por pessoa.

  • Château Smith Haut-Lafitte: esse château é imperdível! Localizado também em Martilac, é nele que fica o Les Sources de Caudalié, hotel & spa da famosa marca de beleza. O hotel tem um restaurante delicioso, onde eu tive um dos almoços mais agradáveis da viagem com vista para os vinhedos. Depois, eu visitei a vinícola e foi ótimo também. Ou seja, recomendo super esse passeio-dobradinha.

Vinícolas-em-Bordeaux-para-visitar-visitação-tudo-sobre-informações-dicas-onde-ir-wine-tasting-infos-informações-tudo-sobre-WINE-wine-taste-tasting-degustação-winelovers-

  • Château Pavie: localizado em St. Émilion, foi um dos châteaux mais bonitos e imponentes que visitei. Seus vinhos de alta qualidade refletem na decoração, arquitetura, paisagismo… Dá pra ver que tudo foi planejado nos mínimos detalhes, sabe? Uma visita imperdível e inesquecível.

Obs: tem custo (acho que 20 euros, se não me engano, por pessoa), e a enóloga-guia era brasileira.

  • Château Troplong Mondot: localizado também em St. Émilion, é uma vinícola que têm hotel e restaurante (com 1 estrela Michelin). Uma pena que não consegui almoçar lá, pois a vista é deslumbrante e as mesas ficam numa varanda super charmosa ao ar livre. Vale se programar para ir ao restô e fazer a visita no mesmo dia.

Obs: tem custo (acho que 10 euros, se não me engano, por pessoa).

Vinícolas-em-Bordeaux-para-visitar-visitação-tudo-sobre-informações-dicas-onde-ir-wine-tasting-infos-informações-tudo-sobre-WINE-wine-taste-tasting-degustação-winelovers-

  • Château Suduiraut: infelizmente por falta de tempo só consegui visitar esse château de vinho de sobremesa. Mas, valeu super a ida! O lugar é lindo, e os vinhos deliciosos.

 

Como vocês perceberam, eu gostei muito das visitas que fiz. Eu realmente indico todas as vinícolas, podem agendar sem preocupação. Cada uma com sua história e peculiaridade me cativou. Para quem está planejando a viagem, eu recomendo visitar até 3 por dia no máááximo. É a quantidade ideal para aproveitar com calma cada château. E claro, tomar muito vinho. Santé!